10 maio 2013

A Última Música

Nome Original: The Last Song
Autor: Nicholas Sparks
Editora: Novo Conceito
Ano: 2010
N° de páginas: 399
Categoria: Romance
Narrador: Onisciente

Sinopse: Aos dezessete anos, Verônica Miller, ou simplesmente Ronnie, vê sua vida virada de cabeça para baixo, quando seus pais se divorciaram e seu pai decide ir morar na praia de Wrightsville, na Carolina do Norte. Três anos depois, ela continua magoada e distante dos pais, particularmente do pai. Entretanto, sua mãe decide que seria melhor para os filhos passarem as férias de verão com ele na Carolina do Norte. O pai de Ronnie, ex-pianista, vive uma vida tranquila na cidade costeira, absorto na criação de uma obra de arte que será a peça central da igreja local. Ressentida e revoltada, Ronnie rejeita toda e qualquer tentativa de aproximação dele e ameaça voltar para Nova York antes do verão acabar. É quando Ronnie conhece Will, o garoto mais popular da cidade, e conforme vai baixando a guarda começa a apaixonar-se profundamente por ele, abrindo-se para uma nova experiência que lhe proporcionará uma imensa felicidade – e dor – jamais sentida. 

Resenha: Desculpem, necessito fazer a comparação com o filme.
Amei os atores. Achei que combinaram perfeitamente. Algo que me irritou foi a relação Ronnie-Steve. No filme, faz parecer que o pai a detesta, detesta aquilo em que ela se transformou, tudo o que os dois sabem fazer é brigar, brigar e brigar. E não é essa a relação deles no livro. OK, a Ronnie continua tentando fazer da estadia dela na casa do pai um inferno, mas ele é um doce, e quer fazê-la sentir-se em casa. E eles recuperam uma amizade forte logo de cara. No filme, a Ronnie praticamente só fala com o pai mais ou menos pro final, o que nos faz ter uma visão errada sobre ela.
                                                                        *-*-*
Agora, sem filme. Sparks é um perito em escrever histórias de amor. Normalmente, elas sempre seguem a mesma linha: paixão à primeira vista, amor eterno, jamais vou me esquecer de você, somos perfeitos juntos, almas gêmeas, e por aí vai. Sempre uma coisa meio clichê. Isso não difere em A Última Música, mas o que mais gosto são os detalhes do livro: a relação de Ronnie com o irmão, por exemplo, é a minha favorita. Por que logo de cara nos apresenta uma Ronnie completamente diferente daquela que seus pais sempre reclamam. O fato de que Ronnie não encontra apenas uma mor na Carolina do Norte, mas encontra, principalmente, a ela mesma, nos mostra que nós somos completamente diferentes quando não estamos em um lugar que nos encaixamos, com as pessoas erradas. Ela encontra o Will de uma maneira muito desagradável  o que a leva a não gostar dele nem um pouco. Mas depois, o sentimento muda completamente. E não é assim que nos sentimos com muitas pessoas? Num primeiro momento, mão gostamos da roupa que ela está usando, da música que ela está ouvindo, da maneira como ela anda, e depois, elas passam a se tornar pessoas adoráveis? Ou então vice-versa.
E tartarugas. tartarugas marinhas, meus caros. Impossível não amá-las depois desse romance.

Nenhum comentário:

Postar um comentário