07 novembro 2015

O Jogo Infinito • Resenha


Detalhes
Nome: O Jogo Infinito - A Doutrina da Morte 
Nome Original: The Eyes of Mind
Autor: James Dashner
Editora: Vergara & Riba
Nº de Páginas: 300
Ano: 2014
Categoria: Aventura, ficção científica
Narrador: Observador

Michael é um garoto que vive em uma sociedade não tão distante da nossa realidade, porém no futuro. Lá a VirNet substitui a vida real, sendo capaz de levar seus usuários a qualquer lugar do planeta, inclusive locais fictícios para diferentes funções, através de um "caixão" altamente tecnológico que a pessoa deita e é transportada para este mundo.

 Assim como Michael, a maioria das pessoas utiliza a VirNet para o entretenimento através dos milhares de jogos disponíveis, ou então podem utilizá-la para encontrar amigos distantes "pessoalmente" neste mundo virtual.
Com a tecnologia do caixão, você pode sentir abraços, o gosto dos mais diferentes tipos de comida e também a dor de um soco ou um tiro. Sendo assim, vivendo em um mundo tão real e falso ao mesmo tempo, Michael e seus melhores amigos virtuais, Bryson e Sarah, encontram formas de hackear este sistema e burlar as regras como a entrada de menores de idade em certos jogos ou equipar-se das melhores armas sem precisar subir de nível ou gastar seu dinheiro virtual.


Porém como tudo que é bom tem seu lado ruim, a VirNet está sendo atacada por um vírus que incapacita as pessoas de voltarem a vida real e impedindo-as de ter mais vidas na VirNet. Ou seja, se você morrer online, você morrerá no mundo real também.
— Existem coisas piores que a morte, Michael – ela falou, franzindo a testa.
Michael sendo um hacker amador e bastante notável chama a atenção da SSV, organização do governo que procura trazer ordem e proteção a VirNet, e sendo assim ela dá a ele, Sarah e Bryson, a missão de encontrar quem está destruindo este mundo que virou a realidade de tantos.

Sendo um livro de ficção científica e também uma obra de James Dashner, acabou me chamando a atenção e intrigando a minha curiosidade. 

É uma história juvenil assim como Maze Runner, porém senti uma "pegada" mais infantil - assim como Percy Jackson - e isso facilita bastante no entendimento e no ritmo da leitura. É algo que me agrada muito quando procuro uma leitura para aqueles dias cansativos e que seja interessante e que não precise de esforço algum para ler.

Livros de aventura, adolescentes e heróis me agradam e este não deixou a desejar. Gosto deste universo futurístico, porém ao terminar o livro e ler mais sobre estes livros de realidades virtuais vi que já é um tema bastante escrito e inclusive histórias bastante parecidas... o que me deixou chateada ao pensar que era uma história inovadora do Dashner, um autor que me encantou com o livro Maze Runner.



Book-trailer

Nenhum comentário:

Postar um comentário